A CONSTITUIÇÃO DO DIÁLOGO SOBRE UMA POLÍTICA PÚBLICA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA COM PROFESSORES ALFABETIZADORES DE ARARUAMA NO RIO DE JANEIRO

Elaine Constant, Jefferson Willian Silva da Conceição, Larissa Leão, Luciana Rodrigues

Resumo


O estudo analisa uma “Roda de Conversa” como caminho para a constituição de uma forma relação horizontal entre a Universidade e Escola Básica. A análise contou com professores do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) do município de Araruama no estado do Rio de Janeiro. A metodologia foi de pesquisa qualitativa: relatos e Pesquisa Grupo Focal. Essa viabilizou compreensões sobre as práticas formativas e a participação dos professores em debates acerca da alfabetização e mostrou os dilemas docentes com a organização do sistema educacional com ciclo nos contextos com permanentes mudanças societárias. Conclui-se que a ideia de reflexão, nas práticas formativas, pode representar uma forma de colonização dos saberes dos professores.

Palavras-chave


Práticas formativas. Alfabetização. Colonização de saberes.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto

Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Avaliação no Ciclo de Alfabetização: Reflexões

e Sugestões. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio

à Gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2012.

_____. Ministério da Educação. Ministério da Educação. Guia Geral do Pró-Letramento.

Brasília, 2010.

_____. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas.

Brasília, DF: MEC, 2007.

BARRETTO, E. S. de S.; MITRULIS, E. Trajetória e desafios dos ciclos escolares no país.

Estudos Avançados. Universidade de São Paulo. São Paulo, v. 15, n. 42, p. 103-140, 2001.

BARRETTO, E. S. de S.; SOUZA, S. Z. Reflexões sobre as políticas de ciclos no Brasil.

Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 659-688, set./dez.. 2005.

FERNANDES, C. O. A escolaridade em ciclos: práticas que conformam a escola dentro

de uma nova lógica: a transição para a escola do século XXI. 2003. 351f. Tese (Doutorado

em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

FERNANDES, Florestan. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1966.

GALLO, Sílvio. Deleuze & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

GATTI, B. A. Análise das políticas para formação continuada no Brasil, na última década.

In: Revista Brasileira de Educação, v. 13, nº 37, Rio de Janeiro. 2008.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MAINARDES, Jefferson. Reinterpretando os Ciclos de Aprendizagem. São Paulo: Cortez,

MAUÉS, Olgaíses Cabral. Reformas Internacionais da Educação e Formação de Professores.

In: Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 89-117, março/2003.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio; CUNHA, Maria Teresa Santos. Entre papéis: a invenção

cotidiana da escola. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio; CUNHA, Maria Teresa Santos

(orgs.). Práticas de memória docente. São Paulo: Cortez, 2003.

NETO, Otávio Cruz; MOREIRA, Marcelo Rasga; SUCENA, Luiz Fernando Mazzei; MARINS,

Rogério Santos. Grupos focais e pesquisa social: o debate orientado como técnica de

investigação. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2001.

PERRENOUD, Philippe. Os ciclos de aprendizagem: um caminho para combater o

fracasso escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In SANTOMÉ,

J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes

Médicas, 1998.

SIMON, Olga R. de Moraes Von. Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São

Paulo: Edições Vértice, 1988.

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática.

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.