APRENDIZAGENS LEITORAS & LEITURAS ALFABETIZADORAS

Edwiges Zaccur

Resumo


O texto abre uma discussão, a partir de diversos teóricos, com o objetivo de acompanhar um movimento em que aprendizagem e desenvolvimento se realimentam íntima e recursivamente. Para isso, parte do princípio de que se vivem aprendizagens leitoras e leituras alfabetizadoras em permanente movimento. Chama aprendizagens leitoras aquelas acionadas a partir do nascimento (ou mesmo antes, no habitat uterino), permitindo ao recém-nascido banhar-se na palavra do outro, interagir, vivenciar trocas, enfim, inserir-se crescentemente no universo cultural. Chama leituras alfabetizadoras aquelas que, desde logo, anunciam “o compele entrar” na cultura escrita, mas prolonga e se implica na linguagem oral, anteriormente, aprendida.

Palavras-chave: Alfabetização. Aprendizagens leitoras. Leituras alfabetizadoras.

 

Abstract

The text opens discussion, from different theoreticians, aiming to follow a movement in which learning and development re-feed themselves closely and recursively. For this, it is assumed that reader learnings and literacy readings live in permanent movement. It is called reader learnings, those activated from birth (or even before the uterine habitat), allowing the newborn bathe in the word of another, interact, experience exchanges, in short, be inserted increasingly in the cultural universe. It is called literacy teachers reading those that, since then, announce "the compel enter" in the written culture, but extends and is involved in oral language previously learned.

Keywords: Literacy. Reader Learnings. Literacy Readings.


Palavras-chave


Alfabetização. Aprendizagens leitoras. Leituras alfabetizadoras.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, Alessandra. Lina, uma criança exemplar! Friedrich Froebel e a pedagogia dos jardinsde-infância. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro: Anped, nº 20, p. 107-120, Maio/Jun/Jul/Ago, 2002.

BAKHTIN M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1990.

BERGSON, Henry. Introdução à Metafísica. In Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

BRÊTAS, Pollyana. Severino, me ajuda aí. Le monde Diplomatique Brasil, Maio de 2015.

CAR, Nicholas. A geração superficial. O que a internet está fazendo com os nossos cérebros Rio de Janeiro: Agir, 2011.

CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARRIÈRE, Jean-Claude e ECO, Umberto. Não contem com o fim do livro. Rio de Janeiro: Record, 2010.

CYRULNIK, Boris. O Nascimento do Sentido. Lisboa: Instituto Piaget, 1991.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 21. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MARIA, Luzia de. Clube do Livro: ser leitor que diferença faz. São Paulo: Globo, 2009.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. De máquinas e de seres vivos: autopoiese – a organização do vivo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d. (Coleção Universidade de bolso.)

MONTESSORI, Maria. A mente absorvente. Rio de Janeiro, Nórdica, s/d.

ROUSSEAU, Jean‐Jacques. Emílio ou da Educação. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

_____________, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

ZACCUR, Edwiges. Conta outra vez: a construção da competência narrativa. GARCIA, Regina Leite (org). Revisitando a Pré-escola. São Paulo: Cortez, 2001. p. 37-51.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.