A ESCRITA NO COTIDIANO DE TRABALHADORAS E TRABALHADORES RURAIS DE AÇU/RN

Inez Helena Muniz Garcia, Cecilia M. A. Goulart

Resumo


O estudo visa a compreender como trabalhadoras e trabalhadores moradores do Assentamento Palheiros I, no município de Açu/RN, se constituem histórica e culturalmente e como a escrita faz parte de suas vidas. O material analisado envolveu observações, entrevistas e fotos. A fundamentação teórica se construiu com base, principalmente, em estudos de Bakhtin e em estudos sobre o analfabetismo no Brasil e a educação de jovens e adultos. Buscamos indícios da questão orientadora do trabalho: o que as pessoas fazem com a escrita e o que a escrita faz com elas, no contexto do que sabem, conhecem e desejam. Os conhecimentos das trabalhadoras e dos trabalhadores investigados são diversos e oriundos de diferentes práticas; seus processos de aprendizagem acontecem de modos heterogêneos.

Palavras-chave: Escrita. Trabalhadores rurais. Práticas escolares e sociais.

 

Abstract

The study aims to understand how workers living in Palheiros’ settlement, located in the city of Açu/Rio Grande do Norte, historically and culturally establish themselves, as well as how writing takes part in their lives. The analyzed data is composed of observations, interviews and photographs. Theoretical foundation is based on Bakhtin’s work and studies of illiteracy and adult education. We search for traces of the study’s guiding question: what people do with knowledge of the written language and how written language affects their lives, in the context of their needs and desires. The knowledge of the male and female rural workers here researched is diverse and derivative of different social practices; their learning processes occur in heterogeneous ways.

Keywords: Writing. Rural workers.  School and social practices.


Palavras-chave


Escrita. Trabalhadores rurais. Práticas escolares e sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis-RJ: Vozes, 2004, 405p.

______. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011, 374p.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1988, 196p.

______. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução do russo por Aurora Bernadini, José Pereira Júnior, Augusto Góes Júnior, Helena Nazário e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Hucitec: UNESP, 1998, 440p.

______. Estética da criação verbal. Tradução do francês de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 2000, 421p.

______. Estética da criação verbal. Tradução do russo de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003, 476p.

______. Problemas da poética em Dostoiévski. Tradução do russo de Paulo Bezerra. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008, 341p.

______. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009, 203p.

______. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução do russo por Aurora Bernadini, José Pereira Júnior, Augusto Góes Júnior, Helena Nazário e Homero Freitas de Andrade. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2010, 439p.

______; DUVAKIN, Viktor. Mikhail Bakhtin em diálogo: conversas de 1973 com Viktor Duvakin. Tradução de Daniela Miotello Mondardo. São Carlos: Pedro & João Editores, 2008, 326p.

______;VOLOCHÍNOV, Valentin N. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. Tradução do russo para o italiano de Luciano Ponzio. Equipe de tradução e revisão do italiano: organização aos cuidados de Valdemir Miotello. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011, 81p.

BÍBLIA SAGRADA (Edição Pastoral). Tradução de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica Internacional e Edições Paulinas, 1990, 1631p.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Anais. 1878 a 1880, de 29 jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2011.

______. Ministério do Desenvolvimento Agrário/ Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Reforma agrária: o caminho para o desenvolvimento sustentável. Brasília: INCRA, 2010.

BRITTO, Luiz Percival Leme. Alfabetização e diversidade. Mesa-redonda: Definindo a alfabetização. In: TELECONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS, 3, Brasília: SESI Nacional, 2003.

BURKE, Peter. A escola dos annales (1929-1989): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Ed. da UNESP, 1997, 153p.

CIPOLLA, Carlo. Educación y desarrollo em Occidente. Barcelona: Ariel, 1970, 167p.

CLARK, Katerina; HOLQUIST, Michael. Mikhail Bakhtin. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2004, 381p.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar, 2003, 136p.

______. O problema do conteúdo, do material e da forma na arte verbal. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, 2009, p. 95-111, 251p.

FERRARO, Alceu Ravanello. História inacabada do analfabetismo no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009, 207p.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 1. ed. 15. reimpr. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, 1499p.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001, 120p.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira et al (Orgs.). História da cultura escrita: séculos XIX e XX. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, 438p.

GERALDI, João Wanderley. Ancoragens: estudos bakhtinianos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010, 175p.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais – morfologia e história. Tradução de Federico Carotti. 2. ed. 3. reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 1989, 281p.

GOULART, Cecilia M. A et al. Processos de letramento na infância: modos de letrar e ser letrado na família e no espaço educativo formal. Relatório Final de Pesquisa – CNPq. Niterói-RJ: Universidade Federal Fluminense, 2005. Mimeo, 116p.

PONZIO, Augusto. Problemas da sintaxe para uma linguística da escuta. In: BAKHTIN, Mikhail M.; VOLOCHÍNOV, Valentin N. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. Tradução do russo para o italiano de Luciano Ponzio. Equipe de tradução e revisão do italiano para o português: organização aos cuidados de Valdemir Miotello. São Carlos-SP: Pedro & João Editores, 2011. p. 7-57, 181p.

RIBEIRO, Marlene. Movimento camponês, trabalho e educação: liberdade, autonomia, emancipação – princípios/fins da formação humana. São Paulo: Expressão Popular, 2010, 455p.

RUMMERT, Sonia Maria. Movimento sindical e políticas públicas para a educação da classe trabalhadora no Brasil atual. In: CANÁRIO, Rui. (Org.). Educação Popular & Movimentos Sociais. Lisboa: Unidade de I & D de Ciências da Educação, 2007a, p. 81-105, 169p.

_____. Gramsci, trabalho e educação: jovens e adultos pouco escolarizados no Brasil actual. Cadernos Sísifo 4. Lisboa: Educa: Unidade de I & D de Ciências da Educação, 2007b, 86 p.

______; CANÁRIO, Rui. Trabalho e formação de jovens e adultos trabalhadores com baixa escolarização: políticas e práticas no Brasil e em Portugal. Convênio CAPES/GRICES. Intercâmbio Brasil-Portugal, 2007.

SÉRIOT, Patrick. Bakhtin no contexto: diálogo de vozes e hibridação das línguas: o problema dos limites. In: ZANDWAIS, Ana (Org.). Mikhail Bakhtin: contribuições para a filosofia da linguagem e estudos discursivos. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2005. p. 59-72, 159p.

SILVA, Maria do Socorro. Da raiz à flor: produção pedagógica dos movimentos sociais e a escola do campo. In: MOLINA, Mônica Castagna (org.). Educação do campo e pesquisa: questões para reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006, p. 60-93, 152p.

SOUZA, Marta Lima de. Os sentidos da escrita para mulheres adultas: família, religião e trabalho. 2011. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, 2011.

THOMPSON, Edward P. A formação da classe operária inglesa: a árvore da liberdade. Tradução de Denise Bottmann. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004. v. 1, 100p.

VOLOSHINOV, V. N. ¿Que es el lenguaje? In: SILVESTRI, A.; BLANCK, G. Bajtín y Vigotski: la organización semiótica de la conciencia. Barcelona: Antrophos, 1993. p. 217-243, 283p.

WILLINSKY, J. O Estado-Nação após o globalismo. In: GARCIA, R. L. e MOREIRA, A. F. B. (organizadores). Currículo na contemporaneidade: desafios e incertezas. São Paulo: Cortez, 2003, p. 81-114, 344p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.