ANALFABETISMO ENTRE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL

Sérgio Haddad, Filomena Siqueira

Resumo


As políticas de erradicação do analfabetismo no Brasil vêm avançando nas últimas décadas de maneira lenta e frágil, evidenciando a magnitude da natureza do problema, que envolve não apenas a precariedade do universo escolar, mas o peso das diferenças socioeconômicas e raciais, historicamente presentes no país. São mais de 13 milhões de brasileiros e brasileiras acima de 14 anos que não sabem ler nem escrever e um enorme contingente de pessoas que, tendo passado pela escola, não tem o domínio do letramento e não podem utilizá-lo para o desenvolvimento de suas potencialidades em diferentes contextos ao longo de suas vidas. Buscando refletir sobre essa realidade o artigo discute sobre e as dificuldades de se fazer avançar a efetivação do direito à educação de jovens e adultos no Brasil.


Palavras-chave


Analfabetismo; Educação de Jovens e Adultos; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRETCHE, Marta (org) Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos – 1ª Ed – São Paulo: Editora Unesp, 2015.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Estado e Educação Popular. Brasília: Líber Livre Ed. 2004.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação Popular. São Paulo: Brasiliense. 1984.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo escolar. Microdados 2008-2013. Disponível em: .

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (Inep). Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília, DF: INEP, 2015. 404 p.

BRASIL. Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 fev. 2006. Disponível em:

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Ofi cial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>.

CAMPANHA NACIONAL PELO DIREITO À EDUCAÇÃO; UNICEF. O Enfrentamento da Exclusão Escolar no Brasil. UNICEF: DF, 2012.

CATELLI JR., Roberto. Alfabetização de jovens e adultos no Brasil: de programa em programa. In: MORTATTI, M. R.; FRADE, I. C. S. (Orgs.). Alfabetização e seus sentidos: o que sabemos, fazemos e queremos? São Paulo: UNESP, 2014. p. 91-108.

DI PIERRO, Maria Clara. Luta social e reconhecimento jurídico do Direito Humano dos jovens e adultos à educação. Revista Educação, Santa Maria, v. 33, n. 3, p. 395-410, set./dez. 2008

______. O impacto da inclusão da EJA no FUNDEB no Estado de São Paulo. In: CATELLI JR., R.; HADDAD, S.; RIBEIRO, V.M. (Orgs.). A EJA em xeque: desafios das políticas de Educação de Jovens e Adultos no século XXI. São Paulo: Global, Ação Educativa, 2014, p. 39-76.

DI PIERRO, Maria Clara; HADDAD, Sergio. Transformações nas políticas de Educação de Jovens e Adultos no Brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Campinas, Cadernos do CEDES, v. 35, n. 96, maio-ago. 2015.

FERRARO, Alceu; KREIDLOW, Daniel. Analfabetismo no Brasil: configuração e gênese das desigualdades regionais. Educação e Realidade, Porto Alegre: 29 (2); jul/dez 2004, p. 179-200

FERRARO, ALCEU. Analfabetismo e níveis de letramento no Brasil: o que dizem os Censos? Educação e Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 81, dez. 2002, p. 21-47.

GALVÃO, A. M., DI PIERRO, M. C. A construção social do preconceito contra o analfabeto na história brasileira. IN: Preconceito contra o analfabeto, cap. 2. São Paulo: Cortez, 2006, p. 31 -54.

HADDAD, Sergio; DI PIERRO, Maria Clara. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.14, p.108-130, 2000.

HADDAD, Sergio. A participação da sociedade civil brasileira na educação de jovens e adultos e na CONFINTEA VI. Revista Brasileira de Educação. V.14, n. 41, maio/ago, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad): séries históricas e estatísticas. Disponível em: .

INSTITUTO PAULO MONTENEGRO (IPM). 5º Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional: um diagnóstico para a inclusão social pela educação [Avaliação de Leitura e Escrita]. São Paulo: [IPM], 2005. Disponível em:

IRELAND, T. D. Vinte anos de Educação para Todos (1990-2009): um balanço da educação de jovens e adultos no cenário internacional. Em Aberto, v. 22, n. 82, p. 43-57, 2009.

PINTO, José Marcelino de Rezende. Financiamento da educação básica: A divisão de responsabilidades. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 6, n. 10, p. 155-172, jan./jun. 2012.

RIBEIRO, Vera M. Masagão; CATELLI JR, Roberto; HADDAD, Sergio. (Org). A EJA em Xeque: Desafios das políticas de Educação de Jovens e Adultos no século XXI. Global: São Paulo, 2015.

UNESCO. EFA Global Monitoring Report 2015. UNESCO: Paris, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.